O Brasil é o país da América Latina com o maior número de universidades entre as mais reconhecidas do mundo. São 27 instituições que entraram no ranking — 13 a mais que no ano passado, sendo que 18 delas são federais e nove privadas. A mais bem posicionada é a USP, na posição 121 da lista. Unicamp e UFRJ são as outras brasileiras mais bem posicionadas. Porém, o número de matrículas em cursos superiores presenciais diminuíram este ano. A conclusão é do Mapa do Ensino Superior no Brasil, divulgado nesta terça-feira, 9, pelo Semesp — entidade que representa mantenedoras de ensino superior do país.

Considerando apenas os cursos presenciais, em 2021 houve queda de 8,9% no número de matrículas na rede privada. Já os cursos EAD cresceram 9,8%. A taxa de escolaridade líquida, que representa o percentual de jovens de 18 a 24 anos matriculados no ensino superior, segue abaixo do ideal. O estudo aponta que 18,1% destes jovens estavam cursando graduação, bem abaixo da meta do Plano Nacional de Educação, que estipula alcançar 33% dessa população até 2024. Para o diretor-executivo do Semesp, Rodrigo Capelato, o aumento de matrículas nos cursos à distância não está elevando a taxa de escolarização do país já que o EAD normalmente atrai pessoas mais velhas.

“Cerca de 80% dos alunos tem de 30 a 44 anos. E são alunos que saíram do Ensino Médio, historicamente não entraram no ensino superior e estão no mercado de trabalho, veem na possibilidade de fazer um curso superior uma oportunidade da ascender profissionalmente. Esse é o público do EAD, que é um público gigantesco. E tem potencial de crescimento muito grande.” Segundo Rodrigo Capelato, os dados também indicam maior taxa de evasão durante a pandemia entre alunos que não contam com apoio para pagar as mensalidades, como o Prouni e o Fies. “A evasão tem estimativa de 30,7% e subiu para 35,9%. E mesmo o EAD, que já é um aluno, cresceu de 35,4% para 40%. Sofreu com a pandemia, também teve impacto econômico. Isso também atrapalhou, inclusive, o aluno do EAD.” Em 2019, 26,2% dos estudantes que deixaram de fazer graduação não contavam com apoio de programas estudantis.

*Com informações da repórter Letícia Santini 

Artigo anteriorQueda na cobertura vacinal no Brasil aumenta risco de novos surtos de doenças
Próximo artigoProjeto que autoriza cultivo medicinal de Cannabis avança na Câmara