A ideia de reproduzir quadros de pintores renomados como Van Gogh, Monet e Picasso, por si só, já parece desafiadora. Agora, pense em imitar grandes mestres sem pincéis e tintas? Foi exatamente isso que aconteceu e está surpreendendo muita gente. O artista plástico brasileiro Eduardo Srur deixou as ferramentas convencionais e passou a usar uma pinça e… plástico. O pintor explica como trabalha para replicar os efeitos de trabalhos extremamente conhecidos sem usar as matérias-primas convencionais. “Eu trouxe para esse momento contemporâneo em que o plástico domina tudo e todos. E apresenta essa série com natureza plástica uma produção que você não tem tinta, a não ser a já processa no plástico pela indústria. Você não tem cola, é uma caixa que foi construída e lá eu preencho e condenso, faço aglomeração de sacolas plásticas que acabam criando a imagem que você vê.” O artista é conhecido pelo ativismo ambiental, criando grandes instalações em espaços públicos de uma das maiores metrópoles da América Latina. Eduardo Srur diz que a intenção é provocar os espectadores. “Essas obras provavelmente vão perdurar muito tempo na história da humanidade, assim como o plástico que a gente joga de forma inadequada na natureza. Uma Monalisa tem mais de 200 anos e os plásticos que a gente descarta de forma inadequada também ficam na natureza mais do que 200 anos.” Os pedaços de plástico encontrados em ruas e rios estarão nas paredes da mostra Natureza Plástica, que deve ser exibida em São Paulo no segundo semestre.

*Com informações da repórter Nanny Cox 

Artigo anteriorMoradores da Muzema deixam prédios após barulhos de estalos na madrugada
Próximo artigoMarco Carbonari: Qual é a importância de podar as videiras e por que nem todos podem fazer?