Agosto é o mês da campanha Azul e Vermelho, promovida pela Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular (SBACV), para conscientizar a população sobre os cuidados com a saúde dos sistema circulatório. A advogada Natália Brandão foi uma das vítimas da falta de informação. Ela conta que praticava exercícios físicos regularmente, mas um dia percebeu um inchaço na perna. Inicialmente, a impressão era que o edema se tratasse de algo muscular, mas, na realidade, era resultado de uma trombose venosa e profunda. A advogada fez tratamento médico com anticoagulantes e, agora, adota um estilo de vida mais saudável. “Minha vida é muito regrada, muito tranquila. Na época, procuramos saber a causa da trombose, não descobrimos. Ficou associada à pílula anticoncepcional que tomava na época. Nunca mais tomei anticoncepcional”, comenta.

Segundo o presidente da Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular, Bruno de Lima, durante a pandemia houve aumento de casos de trombose venosa e embolia pulmonar. Por isso, o especialista diz que é muito importante evitar o sedentarismo. “Tivemos uma lição que temos com a essa pandemia: a gente vive sem um monte e coisas, sem viagens, sem cinema, mas não vivemos sem saúde. Saúde é uma questão de atitude, tem que parar de fumar, manter atividade física regular, ter um sono recuperador, lidar bem com o estresse e ter uma alimentação equilibrada, com pouca gordura animal, pouco sal e farinha branca. Se a gente conseguir fazer mais ou menos isso, estaremos cuidando bem da saúde vascular e da saúde como um todo”, afirma. De acordo com a entidade, quatro em cada 10 adultos brasileiros têm altos níveis de colesterol. Os problemas associados ao sistema circulatório causam duas vezes mais mortes o que todos os tipos de canceres somados.

*Com informações do repórter Victor Moraes

Artigo anteriorConsórcio Nordeste suspende importação de 37 milhões de doses da vacina Sputnik V
Próximo artigoMinistro do Turismo reclama de prejuízos ao Brasil por fake news de Macron