A Prefeitura de São Paulo quer zerar as emissões de carbono na cidade até 2050. Com 43 iniciativas, o Plano de Ação Climática do município da São Paulo, idealizado por Bruno Covas e desenvolvido em parceria com a rede internacional de cidades C40, foi aprovado pelo escritório central do grupo em dezembro do ano passado. Uma das metas é diminuir a demanda por carros e ônibus, aumentar a participação de fontes renováveis e reduzir a geração de resíduos sólidos. A Prefeitura também quer estimular a economia verde, redistribuir as oportunidades de trabalho e renda no território, aumentar a captura de carbono e reduzir a vulnerabilidade sócio ambiental.

A secretária-executiva do Comitê de Mudanças do Clima, Laura Ceneviva, diz que as ações em andamento já buscam preservar o clima. “Aquilo que a gente consegue cortar, transporte, por exemplo, ônibus, que é o caso mais conhecido, a gestão de transito que favoreça a circulação dos ônibus, é o uso de outros módulos de circular na cidade que não sejam motorizados. Tudo isso é ação que já está em curso. As emissões de resíduos a prefeitura cada vez diminui o envio de resíduo orgânico, fazendo compostagem. Enfim, tem um monte de ações. As principais são transporte, mas tem muita ação que está em curso.” A maior emissão vem do uso de combustíveis fósseis do transporte.

Em 2017, foram liberados 9,5 milhões de toneladas na atmosfera apenas em São Paulo. Se o ritmo de crescimento continuar, as emissões provenientes deste setor vão crescer 120% até 2050. O prefeito Ricardo Nunes ressaltou que as modificações neste setor já estão em curso. “Em 2021 nós já temos 660 novos ônibus com uma atuação menos poluente, são novas tecnologias. A gente tem 10 anos, a partir de 2019, até 2029, para fazer a redução de 53% da emissão de gás carbônico. Ou seja, tem um compromisso a cidade de São Paulo nessa área que é muito importante, que é o transporte coletivo e todos os veículos dessa cidade tão grande.” Segundo o prefeito, as metas estão em sintonia com o Acordo de Paris para redução das emissões. A expectativa de especialistas é de que as cidades cheguem a 2100 com aumento de 4ºC na temperatura, se nada for feito.

*Com informações da repórter Nanny Cox 

Artigo anteriorMinistro da Educação afirma que governo monitora os danos causados aos alunos na pandemia
Próximo artigo‘Vacina do Butantan no braço’, diz Doria ao receber a segunda dose da CoronaVac