Mais de três milhões de estudantes da rede estadual de São Paulo retornaram às aulas nesta segunda-feira, 2. Um deles foi o Victor Hugo Rodrigues, de 11 anos, aluno do 5º ano da escola Dom Agnelo Cardeal Rossi, localizada na Zona Sul da capital paulista. “Vim animado sim, para aprender as coisas e ser alguém na vida”, diz o menino que terá mais aulas presenciais, assim como os demais estudantes do Estado. O motivo é que a capacidade de alunos em cada sala aumentou. Agora, escolas podem receber 100% dos matriculados, desde que mantenha o distanciamento social de um metro. A escola Dom Agnelo Cardeal Rossi, por exemplo, está atendendo 50% da capacidade e, com isso, os estudantes foram divididos para um rodízio do ensino presencial.

A determinação de ocupação do governo do Estado vale também para a rede municipal e particular. A exceção é para as creches publicas e privadas que devem funcionar atendendo até 60% da capacidade. O secretario de educação estadual, Rossieli Soares, garante segurança e cumprimento de protocolos, porém a decisão de mandar ou não o aluno pra escola segue sendo dos pais. “O mês de agosto será opcional para as famílias. O mês de setembro, na segunda quinzena, vamos reavaliando a partir dos dados de retorno dos primeiros 15 dias sobre a possibilidade, ou não, de tornar obrigatória a volta às aulas”, pontua. As aulas seguem obrigatórias, mas podem ser acessadas remotamente. Segundo a Secretaria Estadual de Educação, em 68 cidades do Estado as aulas presenciais ainda não foram retomadas porque decretos municipais impedem, afetando mais de 90 mil alunos, o que representa cerca de 3% das matriculas da rede estadual.

*Com informações da repórter Carolina Abelin 

Artigo anteriorDefesa de homem preso por incendiar estátua de Borba Gato pede liberdade ao STJ
Próximo artigoDoria envia ofício ao governo federal sobre administração da Cinemateca