A Secretaria de Segurança Pública de Goiás (SSP-GO) divulgou uma carta escrita por Lázaro Barbosa enquanto ele estava foragido. As anotações oram encontradas no bolso do criminoso no dia em que ele foi morto pela Polícia Militar de Goiás (PMGO), na última segunda-feira, 28, em Águas Lindas de Goiás. No bilhete, Lázaro diz estar sem munições após “dois confrontos” com policiais e pede ajuda ao destinatário da carta, identificado como Jil no documento. Além disso, o criminoso diz que, caso não conseguisse a munição comprada, seria obrigado a matar mais pessoas, o que, segundo ele, “não pode acontecer”. Em outro trecho, Lázaro afirma que não irá se entregar às autoridades. “Mano não vou me entregar, pois além do caso (…) tem muita coisa que tão querendo botar pra mim, e eles tão me caçando como caça viado, já tive 2 confronto com eles e to zerado de munição, cara por favor arruma o tanto de munição de 38 e 380 pra mim, eu tenho 35 munição de 380 lá naquele barraco que eu tava ve com a (nome omitido), pra pegar para mim eu voou te adiantar 500 reais por esse corre por favor mano não me deixa na mão”, disse o criminoso.

Em nota, a SSP-GO falou sobre as investigações acerca do caso, dizendo que está investigando a participação de outras pessoas nos crimes de Lázaro e que trabalha com a possibilidade de se tratar de uma organização criminosa da qual ele faria parte. Além disso, a polícia diz ter indícios de que Lázaro recebeu um “aporte financeiro recente” para sua fuga e ressaltou o fato de que ele teve acesso à internet durante o período em que estava fugindo das autoridades. A SSP afirmou, por fim, que seguirá atualizando o andamento das investigações sobre o caso.

Carta de Lázaro Barbosa

Carta foi encontrada no corpo de Lázaro

Artigo anteriorJustiça veta isenção na taxa do Enem 2021 para quem faltou por medo da Covid-19
Próximo artigoAnvisa recomenda suspender vacinação de grávidas com AstraZeneca e Janssen