O escalonamento de vacinação anunciado pela prefeitura de São Paulo está confundindo a cabeça dos paulistanos. O novo cronograma não coincide com a campanha estadual já anunciada pelo governador João Doria, que antecipou a vacinação em 30 dias. Com isso, pessoas de 50 a 59 anos, por exemplo, já podem se vacinar desde o dia 16 de junho. No entanto, alguns postos de saúde da capital paulista seguem somente o cronograma municipal, que começou na última quarta-feira, 16, e termina no sábado, dia 19 de junho, e divide os dias de vacinação de acordo com a faixa etária. Pessoas com 56 e 57 anos, por exemplo, poderiam se vacinar apenas no dia 16, enquanto paulistanos com 54 e 55 anos no dia 17, sucessivamente. Na prática, os dois calendários estão deixando a população confusa e sem a dose da vacina contra a Covid-19.

O secretário executivo de saúde do governo do Estado, Eduardo Ribeiro Adriano, admitiu um conflito nos dois calendários e disse que vai conversar novamente com o secretário municipal de saúde, Edson Aparecido. “Estamos em tratativas, vou conversar novamente com o secretário Edson Aparecido. A capital de São Paulo é uma parceira do Estado, nós equacionaremos a situação para que a população possa, enfim, tomar a sua vacina e enxergar uma luz no fim do túnel que a vacinação vai fazer”, disse. Por sua vez, Edson Aparecido garantiu que quem procurar o posto e estiver na faixa etária receberá o imunizado. “Objetivo foi exatamente esse: a capital é diferente. A capital tem 1,3 milhão de pessos para vacinar. Nós precisamos fazer isso de maneira organizada, de forma escalonada. A diferença de quem iria vacinar hoje e vai vacinar no sábado são três dias apenas”, afirmou. À Jovem Pan, o governo de São Paulo e a Prefeitura garantiram que os profissionais de saúde seguirão a mesma linha e ninguém voltará pra casa sem a vacina.

*Com informações do repórter Maicon Mendes

 

Artigo anteriorBandidos se passam por agentes do Ministério da Saúde para aplicar golpes
Próximo artigoOnde será a Copa do Mundo em 2022?