As polícias do Distrito Federal e de Goiás detalharam nesta terça-feira, 27, os desfechos da Operação Anhanguera, feita para procurar o criminoso Lázaro Barbosa, morto em 28 de junho em Águas Lindas de Goiás após cometer assaltos, assassinatos, estupros e passar semanas fugindo em áreas de mata do Centro-Oeste brasileiro. De acordo com o delegado Cléber Marine, cinco pessoas foram indiciadas nos inquéritos abertos pela PC-GO: o fazendeiro Elmir Caetano, que foi detido durante a operação; o caseiro da fazenda dele, as duas ex-mulheres de Lázaro e uma ex-sogra dele. Os homens foram detidos por favorecimento pessoal e posse de arma de fogo sem registro. As mulheres, por sua vez, podem ter operado papel essencial na fuga do suspeito. “Elas estavam tanto prestando informações para ele, dando guarita, inclusive alimentação, levando ele para locais, para esconderijos, e sobretudo iam providenciar a fuga definitiva dele”, afirmou o delegado.

As investigações foram encerradas em Goiás e os cinco suspeitos devem responder a processos, mas a polícia do Distrito Federal continua as investigações para saber se mais pessoas ajudaram o criminoso. Laudos da polícia também comprovaram que Cleonice Marques, de 43 anos, sequestrada por Lázaro após todos os membros da família dela serem mortos em Ceilândia, foi estuprada antes de ser morta. Não há definição, porém, de se a violência sexual foi cometida pelo suspeito. Agora, a Secretaria de Segurança Pública de Goiás pedirá o sequesto dos bens do fazendeiro preso por suspeita de ajudar o criminoso na fuga. A expectativa é de que o valor das posses dele possa ajudar a cobrir parte dos gastos da polícia em dias de operação.

Artigo anteriorVacinados contra a Covid-19 podem contrair e transmitir a variante alfa, diz estudo da Unicamp
Próximo artigoVacina da Pfizer: Saúde diz que só irá analisar redução de intervalo após aplicação da 1ª dose para todos os adultos