O boletim da Fiocruz aponta reversão na tendência de queda dos casos de Síndrome Respiratória Aguda Grave no Brasil. A partir da pandemia da Covid-19, em 2020, os números começaram a subir em uma possível evidência da subnotificação dos óbitos pelo coronavírus. O estudo analisa as últimas seis semanas e o sinal moderado de alta ocorre nas últimas três semanas. As mortes continuam em queda em boa parte dos Estados. Porém, no Acre, Mato Grosso do Sul e Amazonas há sinal de elevação — com destaque negativo para o Acre, com forte crescimento. Nos demais Estados há estabilidade no Amazonas, Amapá, Distrito Federal, Goiás, Minas Gerais, Mato Grosso, Pernambuco, Piauí, Paraná, Rio de Janeiro e Rondônia. A Fiocruz alerta que o cenário pode manter as hospitalizações e óbitos em patamares elevados, com agravamento nas próximas semanas.

No Estado de São Paulo, apenas 2% dos hospitais privados registram ocupação de UTI para Covid-19 acima de 80%. A pesquisa do SindHosp aponta a forte queda da doença e o aumento das cirurgias eletivas. O cenário é bastante diferente de maio, entre os dias 11 a 15, quando 88% das unidades particulares tinham ocupação acima de 80% para Covid-19. O presidente do SindHosp, Francisco Balestrin, atribui o recuo à vacinação. “Você tinha casos muito graves, uma média de internação muito alta, uma mortalidade muito alta. Agora, a gente percebe que com esse perfil todo algo aconteceu. E o que teve de diferente foi exatamente a vacinação.” Francisco Balestrin recomenda a manutenção dos cuidados básicos à população, uso de máscaras, higienização e evitar aglomerações.

*Com informações do repórter Marcelo Mattos 

Artigo anteriorSão Paulo inaugura laboratório móvel capaz de detectar variantes do coronavírus
Próximo artigoPolícia de São Paulo indicia três pessoas por fraudes em compras online