Um estudo realizado pelo LAB Cidade, Laboratório Espaço Público e Direito à Cidade da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (USP), mapeou a distribuição geográfica da vacinação na capital. Segundo a pesquisa, a imunização atingiu uma taxa muito maior nas regiões mais ricas e menos afetadas com a pandemia da Covid-19. O levantamento do laboratório foi feito a partir de dados do Ministério da Saúde que mostram que, até o dia 17 de maio, 16% ou mais moradores de bairros paulistanos de classe alta tinham sido vacinados pelo critério de idade, ou seja, os idosos. Nesses bairros, a mortalidade pelo novo coronavírus ficou entre 10 a 20 casos por 10 mil habitantes Já em locais mais pobres, de 4% a 8% da população tinha sido vacinada pela faixa etária, taxas de 2 a 4 vezes inferiores as dos bairros ricos. Essas regiões registraram 50 mortes ou mais por 10 mil habitantes. Em nota, a Secretaria Municipal da Saúde disse que a campanha de imunização contra a Covid-19 na capital paulista segue critérios dos programas nacional e estadual de vacinação e que priorizou grupos mais vulneráveis como idosos, indígenas, pessoas com comorbidades ou deficiência, em situação de rua e profissionais da saúde e de outros serviços essenciais.

*Com informações da repórter Elisângela Carreira

Artigo anteriorDefesa define Jairinho, réu pela morte de Henry Borel, como ‘bom pai, carinhoso e atencioso’
Próximo artigoQueiroga diz que não tem pressa para desobrigar uso de máscara para pessoas já vacinadas contra Covid-19