Condenado por assassinatos e estupros, o fugitivo Lázaro Barbosa morreu nesta segunda-feira, 28, após ser baleado em Águas Lindas de Goiás. A megaoperação policial formada para capturá-lo entrava no 20º dia quando o criminoso foi localizado. Acompanhando o caso desde o início em Goiás, a influencer Vavá Cunha revelou detalhes sobre a morte de Lázaro nesta tarde em entrevista ao programa Pânico, da Jovem Pan.

“A morte de Lázaro Barbosa foi confirmada após uma troca de tiros com a polícia. Os agentes monitoravam seu celular há tempoa, mas o GPS foi desabilitado por Lázaro para que ele pudesse trocar mensagens e usar aplicativos. Após rastrear uma ligação efetuada pelo celular do criminoso, os agentes encontraram Lázaro no bairro Itamaracá, em Águas Lindas de Goiás, onde morava sua ex-sogra. Naquele momento, a polícia fechou o cerco, ele estava sozinho e não tentou sequer negociar, só gritava em direção aos agentes: ‘Eu vou morrer, mas vocês vão todos comigo. Vou morrer, mas vou matar todos vocês’. Por isso a polícia precisou disparar tantas vezes”, disse Vavá.

Segundo a apuração da influencer, os policiais acertaram Lázaro com cerca de 20 a 30 tiros. Apesar da morte do criminoso, ela afirma que o caso está longe de acabar. “A informação que eu tenho é que outras pessas serão presas. No bolso da roupa do criminoso, foram encontrados R$ 4.400, mas não há nenhum relato de roubo na região. Por isso as autoridades investigam quem teria dado esta quantia para ele. Até agora, os policias consideram como a maior hipótese o fato do fazendeiro preso nos últimos dias ter agenciado Lázaro, pagando muito dinheiro para que ele cometesse todos os crimes. Agora, a ex-esposa de Lázaro presta depoimento e também pode ser presa. As autoridades seguem com as investigações porque mais envolvidos devem ser presos’”, concluiu.

Confira a entrevista com Vavá Cunha:

Artigo anteriorBolsonaro parabeniza polícia de Goiás pela morte de Lázaro e comemora: ‘CPF cancelado’
Próximo artigoENQUETE — 3 EM 1 — Você é a favor da pena de morte no Brasil para casos como o de Lázaro Barbosa?