A Jovem Pan, o Instituto Brasil 200 e G10 Favelas concluíram as entregas de cestas básicas. A ação beneficente começou em abril e arrecadou, em apenas nove dias de campanha, mais de R$ 1 milhão, sendo a maioria de pessoas físicas. Ao todo, mais de 20 mil famílias receberam as cestas básicas. Essa última etapa da ajuda aconteceu em Aparecida, cidade do interior de São Paulo. A moradora Maria Tereza, de 52 anos, trabalhava no ramo de hotelaria, mas saiu do emprego na pandemia para cuidar da netinha. Ela conta que só tem a agradecer pela cesta básica. “Ajuda demais, tem muita gente passando necessidade. Está ajudando muita gente. Não tenho o que reclamar, tenho é que agradecer. E como diz a minha mãe: viva a Nossa Senhora Aparecida. Agradeça a Nossa Senhora”, afirmou. A cabelereira Juliana Amaral tem um salão de beleza na cidade, mas está parado. Ela relata que a cesta básica vai ajudar outras pessoas que precisam mais do que ela. “Temos vizinhos que estão passando necessidade. Então vem em boa hora, veio suprir uma carência mesmo, porque a nossa feira não começou a trabalhar 100%, pessoas perderam os empregos”, comenta.

O presidente do Instituto Brasil 200, Gabriel Canner, disse estar realizado por ter feito a diferença na vida das pessoas. “Fico honrado de ter tido essa oportunidade, mas só foi possível graças a uma grande rede de parceiros. Quero agradecer à Jovem Pan que comprou essa ideia com a gente. Quero muito agradecer o G10 Favelas, sem eles a gente não teria conseguido chegar a 12 Estados diferentes. Foram 37 comunidades atendida, então foram resultados expressivos e me sinto honrado de ter feito parte disso tudo”, afirma. Da mesma forma, o presidente do G10 Favelas, Gilson Rodrigues, disse que sente felicidade por ver a solidariedade das pessoas. “Não queremos viver em um Brasil que uma parte pode ficar no home office e outra parte passa fome. Que exemplos como esse possam prosperai ainda mais, porque o desafio ainda é gigante e temos muitas famílias vivendo situação e insegurança alimentar”, concluiu.

*Com informações do repórter Victor Moraes

Artigo anteriorServidores públicos vão voltar ao trabalho presencial no Rio de Janeiro
Próximo artigo10% dos policiais apoiam a ampla liberação das armas de fogo para a população, mostra anuário