O número de motoristas flagrados dirigindo sob o efeito de álcool nas rodovias federais em 2020 caiu 64% em comparação ao ano anterior. Os dados refletem o endurecimento da Lei Seca, que completou 13 anos em vigência no Brasil. Só no ano passado, 12 mil motoristas foram autuados e 18 mil multas foram aplicadas. Segundo o especialista em medicina do tráfego Alysson Coimbra, o próximo passo da lei é aprimorar a fiscalização do uso de substâncias psicoativas por condutores. “Nós percebemos que houve sim uma redução do consumo de álcool pela redução dos flagrantes através das autoridades policiais, principalmente nas rodovias federais, mas cresceu de forma muito espantosa o consumo de substâncias psicoativas. Precisamos descobrir novos métodos e novas metodologias para que continuemos preservando vidas no trânsito do Brasil”, afirmou. Neste ano, o código de trânsito brasileiro decidiu que o motorista que provocar mortes ou ferimentos graves ao dirigir alcoolizado perde o direito a penas alternativas como a prestação de serviços comunitários.

*Com informações do repórter Vinícius Moura

Artigo anteriorONU considera crise de refugiados como pior do século; Brasil abre braços para venezuelanos
Próximo artigoCampinas inicia novo toque de recolher e aplicará multas de até R$ 1,5 mil para infratores