O presidente da Eletrobras, Rodrigo Limp, não acredita na possiblidade de racionamento de energia ou apagão em 2021, apesar da crise hídrica histórica vivida pelo país. O nível dos reservatórios da principal região geradora de energia do país, a Sudeste e Centro-Oeste, está aquém de 28% — patamar inferior ao registrado no racionamento de 2001. No entanto, de acordo com Rodrigo Limp, a situação agora é bem diferente: o país está mais interligado, com mais linhas de transmissão e, ainda, a matriz energética brasileira foi mais diversificada desde aquele ano. O Brasil conta, agora, com volumes expressivos, geração de energia solar e eólica — fontes que não estavam disponíveis em grande volume no apagão de 2001.

Além disso, Rodrigo Limp diz que medidas preventivas que já foram adotadas pelo governo e pelo operador nacional do sistema, como a importação de energia do Uruguai e Argentina, a ampliação da geração térmica e a flexibilização de restrições hídricas, garantem que o país vai conseguir vencer esse período seco e de pouca chuva sem apagão ou racionamento. Na semana passada, a ONS emitiu um comunicado aos geradores de energia de todo o país fazendo um apelo para que paradas técnicas e de manutenção sejam suspensas e adiadas para garantir a plena geração de energia.

*Com informações do repórter Rodrigo Viga 

Artigo anteriorOlavo de Carvalho tem alta após 10 dias internado no Incor, em São Paulo
Próximo artigoContratação de mulheres para cargos de alto escalão cresce após empresa não revelar gênero dos candidatos