A professora de educação física Greice Kelly Miranda tem uma filha de 1 ano e 10 meses. Graças ao Sistema Único de Saúde (SUS), ela diz que a vacinação da menina está em dia. “E a vacina é também um motivo de qualidade de vida e evitar doenças que possam trazer inclusive a morte. Temos uma rede de saúde muito boa, que é o SUS, o Sistema Único de Saúde, que oferece essas vacinas e evitam essas doenças”, pontua Greice Kelly, que não vê a hora de tomar a vacina contra a Covid-19. “Só estou aguardando mesmo, chegou já estou lá disposta para tomar a vacina. Encarar Sol, chuva, o que for”, completa. Nesta quarta-feira, 9 de junho, é celebrado o Dia da Imunização. O principal objetivo da data é conscientizar a população sobre a importância dos imunizantes. Com a pandemia, a cobertura vacinal no Brasil, que já vinha em queda nos últimos anos, despencou ainda mais em 2020, aumentando o risco de novos surtos de doenças preveníveis. O líder médico da Infectologia do HCor, Guilherme Furtado, acredita que a baixa adesão à vacinação, em alguns casos, se deve a falta de informação por parte da população.

“A orientação é o mais importante. Os médicos, os profissionais de saúde orientar os pacientes. A gente tem trabalhado muito a nível de consultórios, hospitais, em termos de orientar famílias, orientar toda a questão vacinal”, relata. Ao todo, 48,9 milhões receberam ao menos uma dose de imunizantes contra a Covid-19 e cerca de 23 milhões já completaram o ciclo de duas doses. O infectologista Guilherme Furtado lembra que a imunização contra o coronavírus só estará completa cerca de 15 dias após a segunda dose. O Brasil se mantém em 66º no ranking global de aplicação da vacina contra a doença e entre os países que compõem o G20, grupo das 20 maiores economias do mundo, o país continua em 10º lugar.

*Com informações da repórter Caterina Achutti

Artigo anteriorDe olho em 2022, Lula inicia série de encontros no Rio de Janeiro
Próximo artigoApesar de melhora, Brasil não tem universidades entre as 100 primeiras do mundo