O Rio de Janeiro pode enfrentar um boom da variante delta da Covid-19 nas próximas semanas. Segundo fontes da Jovem Pan, dada a alta transmissibilidade dessa cepa e o número de casos oficialmente já registrados, a expectativa é de que o Rio tenha um crescimento bastante significativo no número de registros da variante indiana na cidade e Estado. O último levantamento do Ministério da Saúde apontava para mais de 100 casos em todo o Brasil, com a maioria absoluta no Rio de Janeiro: 83 casos em 12 municípios, com destaque para a capital. Há registros da variante delta também na grande Rio, região metropolitana e em cidades interioranas.

Segundo dados da Organização Mundial da Saúde, a variante delta já está presente em mais de 100 países. Em tese, seria uma variante menos letal e mais transmissível. O infectologista Charbell Kury acredita que o Rio de Janeiro esteja liderando o ranking nacional de casos da variante por conta das características ligadas a presença de estrangeiros e de muitos turistas. “A presença da indústria de petróleo maciço na região do Rio de Janeiro, onda há grande circulação de pessoas que vêm das plataforma da Índia e desembarcam na região. E a característica própria da variante delta que se dá através da sua grande transmissibilidade.” Já a pesquisadora da UFRJ Christina Barros destaca que, ao longo da pandemia, o Brasil testou muito pouco a população e também fez pouco mapeamento genético do vírus.

Diante deste fato e da maior transmissibilidade da cepa, fica mais difícil a adoção de politicas publicas que possam bloquear ou minimizar a circulação. “Não surpreende que, nas poucas amostras que temos, seja identificada a variante delta. Na verdade, indica que talvez ela esteja em frequência bastante maior. Nós não temos controle. Não é por falta de capacidade técnica, mas por falta de investimento em um programa coordenado de testagem do Ministério da Saúde.” O infectologista Edimilson Migowski está preocupado porque as primeiras informações dão conta de que a delta está infectando pessoas que já tinham tomado a vacina contra a Covid-19. “As pessoas que agravaram com essa cepa, a maioria era vacinada. O que causa preocupação, porque a vacina existente parece não proteger tanto assim da cepa delta e, dentre os vacinados, o quadro de maior gravidade.” O Estado do Rio de Janeiro tem mais de um milhão de infectados nesta pandemia e já tem quase 58 mil mortos.

*Com informação do repórter Rodrigo Viga

Artigo anteriorSP cria programa para recuperar moradias em regiões em processo de regularização
Próximo artigoPolícia recupera 280 toneladas de aço roubadas em depósito de Suzano