Um estudo divulgado pela Faculdade de Medicina do Imperial College de Londres nesta terça-feira, 15, mostra que a taxa de transmissão da Covid-19 voltou a subir no Brasil, alcançando a marca de 1.07. Isso significa que cada 100 pessoas que contraem a doença no país infectam mais 107 pessoas. Considerando a margem de erro, esse número pode subir para 1.28 (128 novas infecções a cada 100 infectados) ou descer para 1,02 (102 pessoas com a doença a cada 100 pessoas infectadas). O último relatório do Imperial College, divulgado em 8 de junho, tinha registrado uma queda nesse índice após duas semanas de estabilidade. Na ocasião, a taxa foi de 0.99, o que traduzia 99 novas infecções a cada 100 doentes no Brasil.

Além de registrar a taxa de infecção, a universidade europeia também projeta a quantidade de mortes que o país deve registrar ao longo da semana. A média prevista pelo estudo é de 14.300 novos óbitos, podendo variar entre 12.400 e 16.500. O Brasil ocupa a 13ª posição entre os países com piores números no estudo, atrás de nações como Argentina, Paraguai, Marrocos e África do Sul. A República Dominicana, tem a pior taxa de transmissão entre os 68 países estudados, com 1.46. Nos índices da universidade, a Suécia é o país com a menor taxa de transmissão da doença, com 0.37, seguido de Hungria, Suíça e Macedônia do Norte. Desde o início da pandemia, segundo dados do Ministério da Saúde, 17,5 milhões de casos foram registrados e 488 mil mortes foram causadas pela Covid-19.

Artigo anteriorPoliciamento no Rio de Janeiro é reforçado após morte de Ecko
Próximo artigoPrefeitura de São Paulo lança plataforma para evitar aglomerações em postos de vacinação