O tenente-coronel da Polícia Militar de São Paulo, Cassio Pereira Novaes, que havia sido afastado do comando do batalhão, em abril deste ano, após ser denunciado por assédio e ameaça de morte, foi promovido a coronel, neste fim de semana. A promoção foi publicada na edição deste sábado, 17, do Diário Oficial do Estado de Estão Paulo. Segundo a ex-soldado Jéssica Paulo do Nascimento, que fez a denúncia, ainda em 2018 Novaes teria feito uma série de investidas para sair com ela e, após ter os apelos negados, teria começado a “persegui-la” com mensagens e sabotá-la dentro da corporação. Por causa disso, ela passou a ter acompanhamento psicológico e pediu afastamento não-remunerado de dois anos do cargo que ocupava. Este ano, ao voltar ao trabalho após o término da licença, a ex-soldado disse que as investidas continuaram, quando decidiu apresentar a denúncia à Corregedoria da PM.

Na ocasião, a corporação informou, em nota, que instaurou um inquérito policial e afastou o oficial do comando do batalhão ainda em abril. Em maio, alegando pressão de colegas de trabalho, Jéssica pediu exoneração. “Comecei a ser perseguida de forma bem suja, eles perceberam que o meu psicológico não estava bom, devido a tudo isso que eu passei, ameaça de morte, de estupro, e mesmo assim me colocaram para trabalhar na rua, sendo que tem a opção administrativa de quando o policial não está bem psicologicamente, ou está passando por um problema delicado como eu, geralmente dão a opção de trabalhar interno”, explicou. Segundo Jéssica, ela teria sido examinada por um profissional de saúde da PM para narrar problemas psicológicos pelos quais estava passando e teria ouvido dele que só seria afastada do serviço se outro colega capitão, que não era médico, autorizasse.

“Eu senti que se eu continuasse a trabalhar naquele meio aconteceriam coisas que poderiam manchar a minha reputação, até mesmo de eu ser expulsa. Porque todos os dias eu estava levando advertências sem motivos, por coisas fúteis, como por exemplo dar entrevista dentro da minha casa”, lembrou na época. Jéssica contou, ainda, que, após as primeiras denúncias, recebeu uma série de mensagens de pessoas dentro e fora da polícia que passaram por situações semelhantes à dela. A Jovem Pan entrou em contato com a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo e aguarda as informações relacionadas à conclusão do inquérito policial e a promoção do agora coronel Cassio Pereira Novaes.

Artigo anteriorParte de loja desaba e deixa feridos em shopping de Alphaville
Próximo artigoRogério Marinho recebe alta após cirurgia na madrugada