A 13ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região de São Paulo validou a demissão por justa causa de uma auxiliar de limpeza que atuava em hospital infantil em São Caetano do Sul e que se recusou a ser imunizada contra a Covid-19 por duas vezes, mesmo após a instituição ter realizado campanhas de conscientização. Na primeira vez em que se recusou a vacina, a funcionária foi advertida. Na segunda vez, o hospital a dispensou por justa causa. A dispensa foi validada pelo juízo de 1º grau, que considerou a recusa uma falta grave, em maio deste ano. A falta grave do empregado resulta no rompimento unilateral do contrato por parte do empregador. Na última segunda-feira, 19, pela 2ª instância do TRT-2 validou confirmou a decisão.

O desembargador-relator Roberto Barros da Silva destacou que a conduta da empregada frente à gravidade e amplitude da pandemia colocaria em risco a vida de todos os frequentadores do hospital e que, nesse caso, deve prevalecer o interesse coletivo frente ao pessoal da funcionária. “Desse modo, considerando que a reclamada traçou estratégias para a prevenção da Covid-19, divulgou informações e elaborou programa de conscientização para assegurar a adoção de medidas protetivas e a vacinação de seus colaboradores, não se mostra razoável aceitar que o interesse particular do empregado prevaleça sobre o interesse coletivo, pois, ao deixar de tomar a vacina, a reclamante realmente colocaria em risco a saúde dos seus colegas da empresa, bem como os demais profissionais que atuam no referido hospital, além de pacientes, e seus acompanhantes.”, afirmou.

Artigo anteriorQuem eram os jogadores brasileiros da grandiosa Copa do Mundo de 2002?
Próximo artigoIdosa morre atropelada ao cruzar rodovia para ver corpo de sobrinha que morreu em batida